DOIS RATOS E DUAS GAIOLAS


O primeiro rato –vamos dar-lhe o nome de Clive – empurra a barra, e em vez de comida, recebe um choque elétrico. O segundo rato – que se chamará Nigel – empurra a barra em sua gaiola. Nada acontece. Nem comida,nem choque.

Clive pára de empurrar a barra. O choque elétrico foi desagradável. Nigel continua empurrando a barra, mas não acontece nada. Eventualmente, Nigel empurra a barra menos vezes, e acaba por não empurrá-la mais. Cessou a recompensa que ele aprendera a esperar empurrando a barra.

Mas se você for paciente e continuar observando, verá que Clive vai voltar a empurrar a barra. Se desta vez ele não levar um choque, continuará empurrando a barra muitas vezes, embora não lhe renda comida alguma. Clive acabará desistindo também se nada acontecer para recompensar – ou punir – seus empurrões na barra.

Cada rato aprendeu a empurrar a barra de metal para conseguir comida. Cliver empurrou aproximadamente tantas vezes quanto Nigel, que não recebeu choque elétrico.

Embora a punição – choque elétrico – suprima um comportamento por certo tempo, não faz com que o comportamento desapareça. Continua existindo o tempo todo, e irá emergir quando lhe for dada uma oportunidade.

Será que enderecer resolve, veja a publicação do desembargador José Luiz Oliveira de Almeida

Postagens mais visitadas deste blog

EMPRESA É CONDENADA A INDENIZAR FAMILIA

Clube do Crescimento Pessoal

A VIDA É MOVIMENTADA POR PARCERIAS